terça-feira, abril 27, 2021

Dizia-se...

... que era uma super lua, a de ontem (que é a mesma!). Não notei nada de diferente. Ainda assim, fotografei-a, porque sempre me fascina.


 

quinta-feira, abril 22, 2021

O melhor


Recebi sobretudo flores, outras plantas e alguns acessórios (bijuteria e lenços), mas o melhor do último domingo foi perceber que, depois de muito tempo, a minha mãe teve a iniciativa, como fazia antes, de ir à varanda ver-me partir.

domingo, abril 04, 2021

domingo, fevereiro 28, 2021

Hei-de

Hei-de habitar no coração de certos que me amaram;
Ali hei-de ser eu como eles próprios me sonharam;
Irremediavelmente...
Para sempre

Ruy Cinatti

quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Apenas


Tenho sido uma antipática. Leio os comentários, sempre simpáticos, de quem passa, mas não tenho respondido. Mea culpa.

 

segunda-feira, fevereiro 22, 2021

sexta-feira, fevereiro 12, 2021

Aviso para colar na porta do frigorífico

Ao entardecer no topo da colina
repara como as urtigas e os freixos
resistem à estação seca
 
fala a viajantes e examina suas cartas
entra em contacto com navios costeiros
de passagem para mercados longínquos
certifica-te do latir do cão e da pisada do cavalo
 
perde o fôlego seguindo a nuvem
quando restar dela uma cor apenas
espante-te ainda sua vontade
de recomeçar vezes sem fim
 
as multidões entretêm-se
com milagres que ocorrem
nos livros de contabilidade
tu ao contrário procura
estrelas distintas
que arrastem às sacudidelas
o peso do teu arado
 
José Tolentino de Mendonça, Teoria da fronteira


domingo, fevereiro 07, 2021

Vamos lá, então!

Confinada há duas semanas e em teletrabalho há alguns dias, amanhã começo (ou recomeço) o intitulado "E@D". Apesar de já não ser novidade, a apreensão é maior do que em março. 

Será porque tenho a certeza de que uma parte dos alunos não dispõe de equipamentos nem rede de internet aceitáveis para participar nas aulas ou para fazer os trabalhos? 

Será porque sei que alguns alunos ficam entregues a si próprios e que faltam repetidamente às aulas sem que pais ou professores consigam reverter a situação?

Será porque sei que muitos alunos vão passar as aulas a jogar ou a comunicar com os colegas, de câmara desligada?

Será porque sei que muitos trabalhos propostos aos alunos são feitos pelos pais ou pelos irmãos mais velhos?

Será porque sei que vou passar os dias em frente ao computador, inclusive à noite, a tentar ensinar, a propor tarefas, a enviar feedback aos alunos e a responder a mensagens e telefonemas fora de horas? (Não, não é fita! Hoje, domingo, na hora de jantar, recebi um telefonema de um encarregado de educação a informar-me de que o seu educando tem o telemóvel avariado há vários dias e que não pode assistir às aulas. Não me esqueci que deu a mesma justificação em março...).

Passei a semana anterior e o fim de semana em reuniões (mais de 7 horas), em formação (8 horas), a assistir a webinares (3h?), a preparar materiais, a ler e a reencaminhar e-mails, a ler documentos que chegam aos poucos e todos os dias (perdi a conta).

Veremos como corre... Pode ser que seja melhor do que perspectivo.

sexta-feira, janeiro 15, 2021

Confinamento?


(Um desenho da mana, em repetição)

Constatei hoje que no prédio onde vivo não há confinados. Professores, enfermeiros, encarregados de supermercado, auxiliares de farmácia, funcionários em serviços públicos e estudantes - todos temos de sair. 

Quando, no fim da manhã, saí do trabalho  e atravessei parte da terra para ir à farmácia, não tive aquela impressão de confinamento...