segunda-feira, novembro 20, 2017

Das publicações visitadas

Sós, eternamente

Estamos sós.
Não o negues.
Os amigos chegam,
ruidosos e afáveis,
com risos e migalhas de tempo.
Partilham memórias de infância,
alegrias e angústias presentes.
Ofertam fruta e compotas.
Sentam-se à nossa mesa
para brindar ao amor ou à vida.
A felicidade em fatias.
Chegada a noite, recolhem escombros
e partem.
Sós. Eternamente.

Como nós.

deep, (talvez) Setembro de 2017

Este devaneio, que publiquei aqui no dia 12, tem motivado repetidas visitas a este blogue. Curiosamente, esse post não tem um único comentário. Confesso que fico curiosa sobre os motivos, bons ou maus, que trazem pessoas aqui.

12 comentários:

Gaja Maria disse...

Pessoalmente posso dizer que venho espreitar muitas vezes porque gosto do que leio. Desta vez não foi exceção. Não comentei porque nunca comento e algumas vezes nem chego a entrar porque leio no feedly. Comentário? Identifico-me com texto que diz tanto com tão poucas palavras. É belas :)

Graça Pires disse...

O poema é excelente e refere o quotidiano de todos nós. Sempre tão sós...
Não sei por que te visitam, mas isso é bom mesmo que não comentem. Eu quando te venho ler deixo a minha marca.
Uma boa semana.
Um beijo.

luisa disse...

Eu não comentei mas gostei do poema e coloquei-lhe um link lá na minha esquina. Se alguns visitantes, por acaso vêm de lá, então eu quero pensar que são motivos bons. Em todo o caso, os meus motivos são dos melhores. :))

LuísM Castanheira disse...

"Às vezes é no meio do silêncio
Que descubro as palavras por dizer.."

lembrei-me desta canção da Maria Guinot, no festival Eurovisão, para
compreender que estamos sós, como este belo poema retrata.

Pois, porque estou aqui?
Um acaso, uma primeira vez.
Cheguei, li e gostei. Seguirei.

Quanto aos poemas em voo, por aí,
uns poisam em alguns jardins, outros perdem-se na alta atmosfera (blogosfera?). Eu não me posso queixar: são poucos, mas são os melhores.
E por aqui fico...
Um abraço (a não sei quem)

Manuel Veiga disse...

gostei de ler o poema
e quando entro digo de minha justiça.

(nem sempre direi certo, mas a minha "solidão" assim o dita!)

beijo

deep disse...

Obrigada, Gaja Maria, pelas visitas e pelas palavras. Acontece com todos: também costumo passar em muitos blogues, sem comentar, ainda que goste do que leio.

deep disse...

Obrigada, Graça. Sempre gentil. Eu sou mais desnaturada, que não dou a atenção que devo a quem merece.
Bom fim de semana. Beijo

deep disse...

Muito obrigada pela referência, luisa. Está explicado o "mistério". :)
Bom fim de semana. Beijo

deep disse...

Obrigada, Luís Castanheira, pelas palavras e pela visita. Lembro-me bem dessa canção e da participação da Maria Guinot no Festival. :)

deep disse...

Manuel Veiga, obrigada pelas palavras. :)
Já percebi, pelas fotos no mural de Facebook da Poética, que a apresentação do seu livro correu bem. Bonito lugar aquele!
Bom fim de semana. Beijo

Mar Arável disse...

Por vezes sós mas nunca isolados
Bj

deep disse...

"Nenhum homem é uma ilha"..., Mar Arável. Bj