sexta-feira, maio 11, 2012

É boa! Se fossem malmequeres!


É boa! Se fossem malmequeres! 
E é uma papoula 
Sozinha, com esse ar de «queres?» 
Veludo da natureza tola. 


Coitada! 
Por ela 
Saí do regímen da’ estrada. 
Não: não a ponho na lapela. 


Oscila ao leve vento, muito 
Encarnada a arroxear. 
Deixei no chão o meu intuito. 
Caminharei sem procurar.


F. Pessoa

1 comentário:

Anónimo disse...

Tão belas e tão frágeis as papoulas.