quinta-feira, julho 10, 2008

(M. C. Escher)

Toma-me o sono
aluga-me o sonho
Correntes de lava escorrem
por mim
ferem-me o ser
queimam-me os olhos

Um grito surdo
pede a claridade
a limpidez da água
no brilho líquido dos teus olhos
Aspiro o cheiro a terra molhada
que emana dos teus dedos

Do fundo de mim
esvoaçam pássaros
que me prendem ao chão
a que inerte
me entrego

(deep)

7 comentários:

Anónimo disse...

de entrega , de desejo , belo , sensual....
cordialmente
José Ribeiro Marto

Infame da Vileza disse...

É teu? Não que duvide.
É de uma sensualidade arrebatadora!
Bjs

deep disse...

É curioso como ambos vêem nele sensualidade... Não passou por mim essa ideia quando, esta tarde, o escrevi!

Obrigada pelas vossas palavras.

Bjs

Cristina GS disse...

A sensualidade não passa pelas ideias, passa pelos sentidos e pelos sentires... ;) Abraço do sul

Ana disse...

Agora que amadurecemos, podeis pensar em entregar-me um punhado deles, para depois pensar em pincelar-vos um outro punhado de aguareladas???

deep disse...

... e ao que parece também pelo inconsciente, Cristina! :)
Abraço

Ana, venham as aguarelas!

Bjs

wandolas disse...

Genial!
Afirmo que deves continuar.
Bjinhos