domingo, Julho 27, 2014

desde o sofá

São estes dias de desacerto
quem mais nos atormenta
e conduz ao consolo do sofá.
São estes dias de chuva quem mais
nos distingue e mortifica.
Que mais nos revela a verdadeira
incerteza dos versos.
Revemos as fotografias e perdemos
o plano num ou outro desencanto -
o fio cortante que nos trespassa
como o tempo:

ou limite metafísico do enigma
    que somos &
           por onde
                      insistimos
                                         [voltar]
                                                    arder. 

Miguel Pires Cabral, Erros de cálculo ou outra coisa qualquer, poética edições

Sobretudo porque passei o fim da tarde de ontem entre poetas, numa tertúlia de comemoração do primeiro ano da Poética Edições e da publicação de Erros de cálculo ou outra coisa qualquer do Miguel Pires Cabral. Entre aqueles que começam a revelar-se - o Miguel Pires Cabral  e a Virgínia do Carmo - e aqueles que são já conhecidos e reconhecidos pelos leitores de poesia - A. M. Pires Cabral e Rui Pires Cabral. 
Tive oportunidade de me aproximar do A. M. Pires Cabral e de lhe dizer que aprecio muito a sua escrita, poesia e prosa. Ele, na sua atitude sempre simpática e humilde, agradeceu-me muito as palavras.

Desafio... take 2

À semelhança da Isabel, do blogue Palavras Daqui e Dali, a Helena, do blogue Inverno em Lisboa, lançou-me um desafio. Como estou preguiçosa e pouco criativa, republico algumas respostas que dei à Isabel. É suposto indicar pessoas para seguirem o desafio, mas não vou fazê-lo - peço, por isso, desculpa à "desafiadora"!


1- O mundo seria mais feliz se...
 ... as pessoas olhassem menos para o seu umbigo e fossem menos gananciosas.

2- Uma amizade é realmente importante quando...
    ...sabemos que podemos contar com as pessoas que julgamos amigas.

3- Paciência e tolerância são para mim...
    ...qualidades que me faltam algumas vezes.

4- Algo que me irrita profundamente é...
    ...oportunismo.

5- Acho que as pessoas humildes...
    ...são, muitas vezes, consideradas estúpidas por "chicos-espertos", para quem humildade e bondade são sinónimo de estupidez.

6- Quando o dia amanhece nublado eu...
    ...fico contente, se tiver havido muitos dias de sol e de calor.

7- Uma qualidade indispensável nas pessoas é...
    ...a honestidade.

sexta-feira, Julho 25, 2014

Aritmético


(Imagem daqui)

Calcula como as minhas
janelas se fecham ao verão
e à vida que corre lá fora.
Calcula como me escondo
sem rosto e como todo o
desassossego me inquieta.
Vou coleccionando livros,
guardo-os junto à cabeceira
como objectos raros.
Observo o significado das palavras
sem que o sentido me acalme.
Como se o meu desafio fosse
um jogo de palavras sem volta.
Considera que me procuro
por cada verso que escrevo
em cada estrofe que reparo.
Talvez porque tudo se resumirá
a um mero erro de cálculo
[ou outra coisa qualquer.

Miguel Pires Cabral, Erros de cálculo ou outra coisa qualquer

quarta-feira, Julho 23, 2014

Cuando la píel

Soy frágil en tus manos, soy papel,
y cuando el mar se arroja y se retira
siento el furor callado de las constelaciones,
la huida de las fieras en el jardín en llamas,
el clamor de las aves si amanece.
Entonces somos más que dos figuras
que el combate conduce hacia el olvido.
Somos el mar, la tierra que perdura,
su latido animal, un estertor
dichoso que nos trae a estas paredes.
Los humildes objetos nos sonríen.


Eduardo García, Poesia Espanhola, Anos 90

terça-feira, Julho 22, 2014

E, de súbito...

E, de súbito, há essa luz
que se espalha sobre a tarde,
essa luz invasora
que traz o passado pela mão,
que o arrasta,
e mo devolve em fragmentos,
como um tempo já sem préstimo.

E, de súbito, é verão na primavera…
Vozes antigas ecoam na minha cabeça
como um mantra,
como uma ladainha,
uma canção infantil.

Vejo-me  menina,
alma sem mácula e sem mágoas,
corpo pequeno que se enrola
nas palavras alheias,
pronunciadas sem pressa.

Deep, 15 de Maio de 2014