quarta-feira, agosto 16, 2017

Pormenores


Pitões das Júnias, Montalegre (14.08.2017)

terça-feira, agosto 01, 2017

Devanear

Os amigos

Os amigos estendem a toalha
sobre a mesa e, sobre esta,
pousam, no lugar dos copos,
no lugar do pão e do vinho, o coração.
Para que te sirvas, de afectos.
(Há vezes em que, incautos,
deixam que o pises debaixo dos pés.)

São ancoradouro para barcos cansados,
os amigos.
Depósitos de mágoas  - os amigos.
São eternos adolescentes rebeldes – os amigos -,
que ouvem, nostálgicos, os álbuns dos Pink Floyd
e cantam repetidamente Wish you were here,

esquecidos da passagem do tempo e das modas.

deep, Julho de 2017

sexta-feira, julho 28, 2017

Li algures

Li algures que os gregos antigos não escreviam necrológios,
quando alguém morria perguntavam apenas:
tinha paixão?
quando alguém morre também eu quero saber da qualidade da sua paixão:
se tinha paixão pelas coisas gerais,
água,
música,
pelo talento de algumas palavras para se moverem no caos,
pelo corpo salvo dos seus precipícios com destino à glória,
paixão pela paixão,
tinha?
e então indago de mim se eu próprio tenho paixão,
se posso morrer gregamente,
que paixão?
os grandes animais selvagens extinguem-se na terra,
os grandes poemas desaparecem nas grandes línguas que desaparecem,
homens e mulheres perdem a aura
na usura,
na política,
no comércio,
na indústria,
dedos conexos, há dedos que se inspiram nos objectos à espera,
trémulos objectos entrando e saindo
dos dez tão poucos dedos para tantos
objectos do mundo
e o que há assim no mundo que responda à pergunta grega,
pode manter-se a paixão com fruta comida ainda viva,
e fazer depois com sal grosso uma canção curtida pelas cicatrizes,
palavra soprada a que forno com que fôlego,
que alguém perguntasse: tinha paixão?
afastem de mim a pimenta-do-reino, o gengibre, o cravo-da-índia,
ponham muito alto a música e que eu dance,
fluido, infindável, apanhado por toda a luz antiga e moderna,
os cegos, os temperados, ah não, que ao menos me encontrasse a paixão
e eu me perdesse nela
a paixão grega.”
Herberto Hélder

quinta-feira, julho 27, 2017

Não podemos


querer ser quem não somos...

terça-feira, julho 25, 2017

Palavras dos outros

«na verdade, apesar de tanto saber que ele exibia, foi apenas tristeza que lhe deixou, abandono e  descrença. não é coisa bonita de se fazer acompanhar na vida.»


Quando as palavras nos faltam, há sempre alguém que encontra as certas para que possamos dizer o que sentimos. Obrigada, ana.

segunda-feira, julho 17, 2017

(Quase) um conselho

Um "devaneio" escrito há sete anos, para uma amiga.

Sê ave graciosa e insatisfeita
em inquieto voo.
Sê orvalho e sê brisa...
Sê a respiração da terra...

Nunca a sombra
de corpos alheios,
nunca o vulto ancorado
em noites sem dono,
nunca barco naufragado
em investidas de mágoa.

Sê sobre tudo,
sobretudo vive.

deep, Junho de 2010

sexta-feira, julho 14, 2017

Penélope escreve

É mais que certo: não sinto a tua falta.
Fiquei a tarde toda a arrumar os teus papéis,
a reler as cinco cartas que me foste endereçando
na semana que perdemos: tu no Alentejo,
eu debaixo de água. Fui depois regar as rosas
que deixaste no quintal. Sempre só e sem
carpir o meu estado (porque não me fazes falta),
pus o disco da Chavela que me deste no Natal
e comecei a preparar o teu prato preferido.
Cozinhar fez-me perder o apetite; por isso
abri uma garrafa de maduro e não me custa
confessar-te que não sinto a tua falta.
Por volta das dez horas, obriguei-me a recusar
dois convites pra sair (aleguei androfobia)
e estou neste momento a recortar a tua imagem
(não me fazes falta) nas fotos que possuo de nós dois,
de maneira a castigar com o cesto dos papéis
a inábil idiota que deixou que tu te fosses.

José Miguel Silva, Ulisses já não mora aqui & etc.