quinta-feira, Setembro 18, 2014

Em quem pensar

Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que
me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a
manhã da minha noite. (...)

Nuno Júdice, "Pedro lembrando Inês"

segunda-feira, Setembro 15, 2014

Regresso à escola


Robert Doisneau, "La dent", Paris, 1956

sábado, Setembro 13, 2014

Árvores


(Serralves, Agosto de 2014)

terça-feira, Setembro 09, 2014

So nice



Someone to hold me tight 
That would be very nice 
Someone to love me right 
That would be very nice 
Someone to understand 
Each little dream in me 
Someone to take my hand 
And be a team with me 

(...) 

Oh yes, that would be so nice 
Shouldn't we, you and me? 
I can see it will be nice...

segunda-feira, Setembro 08, 2014

Asas

Na tarde deste domingo, a Virgínia do Carmo deu a conhecer a sua mais recente obra de poesia, Relevos, cuja apresentação esteve a cargo de Hercília Agarez. Trago-vos aqui um dos muitos poemas de que gostei.


Não adianta fazeres de conta que tens asas. Por mais
que acredites nelas, voarão sem ti. Porque tu és do
chão. Devias saber.

Trazes restos de chumbo na alma e um caos de
grainhas no corpo que ninguém quer.

E se olhares para os teus pés verás que não caminhas
descalça. Trazes-te neles, chumbo e grainhas. Como
esperas levantá-los do fundo de tudo?

E há fragas de pó no teu peito sem janelas. E o único
ar que respiras é  o que sorves dos espaços entre as
pedras.

Por que havias tu de querer um céu inteiro?

Tu pertences ao chão. Devias saber.


Virgínia do Carmo, Relevos