terça-feira, abril 25, 2017

Liberdade ilustrada



Os desenhos da mana.

Abril de Abril

Era um Abril de amigo Abril de trigo
Abril de trevo e trégua e vinho e húmus
Abril de novos ritmos novos rumos.
Era um Abril comigo Abril contigo
ainda só ardor e sem ardil
Abril sem adjectivo Abril de Abril.
Era um Abril na praça Abril de massas
era um Abril na rua Abril a rodos
Abril de sol que nasce para todos.
Abril de vinho e sonho em nossas taças
era um Abril de clava Abril em acto
em mil novecentos e setenta e quatro.
Era um Abril viril Abril tão bravo
Abril de boca a abrir-se Abril palavra
esse Abril em que Abril se libertava.
Era um Abril de clava Abril de cravo
Abril de mão na mão e sem fantasmas
esse Abril em que Abril floriu nas armas.
Manuel Alegre

segunda-feira, abril 24, 2017

domingo, abril 23, 2017

Dia Mundial do Livro


(Imagem da net)

O Dia Mundial do Livro foi instituído pela UNESCO em 1996 para incentivar a leitura e o prazer de ler.
São muitos os livros que integram a lista de favoritos e que me marcaram. Destes, destaco, aleatoriamente:
The Catcher in the Rye, de J. D. Salinger, talvez por tê-lo lido na transição dos 17 para os 18 anos e por me ter identificado com Holden, o protagonista; 
- A Sibila da Agustina, que li na mesma altura; 
- Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde, do Mário de Carvalho; 
- Aparição, de Vergílio Ferreira; 
- Memorial do Convento, do Saramago; 
- O Fio da Navalha, de Somerset Maugham; 
- Teoria Geral do Esquecimento, de José Eduardo Agualusa;
- A Porta, de Magda Szábo;
- La Familia de Pascual Duarte, de Camilo Jose Cela;
- Loucura, de Mário de Sá-Carneiro;
- Baudolino, de Umberto Eco;
- Relato de um Náufrago, de Gabriel Garcia Marquez.

Ficam tantos, tantos por nomear...

A propósito, que livros vos marcaram?

Uns dias depois

... e com velas a mais. Só com muito esforço, se conseguiu manter uma acesa até ao momento do sopro.
Um momento simples, mas gratificante entre amigos.

Um obrigada à Isabel pelo Parabéns na sua casa blogosférica.


sábado, abril 22, 2017

sábado, abril 15, 2017

Renova-te


Cântico XIII
Renova-te.
Renasce em ti mesmo.
Multiplica os teus olhos, para verem mais.
Multiplica os teus braços para semeares tudo.
Destrói os olhos que tiverem visto.
Cria outros, para as visões novas.
Destrói os braços que tiverem semeado,
Para se esquecerem de colher.
Sê sempre o mesmo.
Sempre outro. Mas sempre alto.
Sempre longe.
E dentro de tudo.
Cecília Meireles
Com votos de Páscoa Feliz, para quem a vive e de dias felizes para todos.