quarta-feira, Agosto 20, 2014

Fotografar



Ontem foi o Dia Mundial da Fotografia. Para assinalar o dia, o Olhares promoveu, no dia 16, no Porto, um Foto-Paper, no qual tive o prazer de participar.
Apesar dos meus parcos conhecimentos sobre fotografia e de, por esse motivo, as fotos não terem resultado obras de arte, valeu a pena pelo convívio, pelos workshops e pelo facto de o evento me ter proporcionado uma outra visão da cidade.
Deixo-vos duas amostras da minha participação.

Se me comovesse o amor

Se me comovesse o amor como me comove
a morte dos que amei, eu viveria feliz. Observo
as figueiras, a sombra dos muros, o jasmineiro
em que ficou gravada a tua mão, e deixo o dia

caminhar por entre veredas, caminhos perto do rio.
Se me comovessem os teus passos entre os outros,
os que se perdem nas ruas, os que abandonam
a casa e seguem o seu destino, eu saberia reonhecer

o sinal que ninguém encontra, o medo que ninguém
comove. Vejo-te regressar do deserto, atravessar
os templos, iluminar as varandas, chegar tarde.

Por isso não me procures, não me encontres,
não me deixes, não me conheças. Dá-me apenas
o pão, a palavra, as coisas possíveis. De longe.


Francisco José Viegas, Se Me Comovesse o Amor

segunda-feira, Agosto 18, 2014

sexta-feira, Agosto 15, 2014

há várias maneiras


há várias maneiras de começar o dia
quando acordo fumo um cigarro

coso silêncios à pele
num quarto inteiro de palavras vazias
que se repetem como rituais

durante semanas ensaiei regressos
apesar das paredes vazias
não deixo de fingir que não estou só

Maria Sousa, Mulher ilustrada, 2013