terça-feira, janeiro 17, 2017

À sombra do vulcão



Às vezes o coração é um vulcão em sossego,
as horas dos dias passam a medo
mas levantas-te cedo, cumpres a rotina
e acabas a noite, com a televisão ligada,
a dormir no sofá da sala.
Às vezes o coração é um vulcão em erupção,
a solidão enche tudo, a lava lava, a cinza ofusca,
cada dia uma guerra etrusca,
e acabas a noite sem dormir
numa cama qualquer.

Surripiado do mural de Facebook da autora, a Raquel Serejo Martins

domingo, janeiro 15, 2017

Leituras

«A sua vergonha de mim impunha-se como uma ferida impossível de sarar, constantemente esmagada pela confessada rejeição, que era a dos outros mais do que sua, e encerrava um preconceito que o amor teria de transpor ou não existiria. [...] O David não sabia que a sua vergonha não implicava apenas a sua rejeição, mas a de toda a cultura que nos envolvia [...]. As palavras dos amigos, que representavam todos os homens, valiam mais para si que a nossa união, o nosso riso.»


Isabela Figueiredo, A Gorda


terça-feira, janeiro 10, 2017

Depois vieste tu

XVIII

               (Experiência.)

Depois vieste tu
(tu quem?)
e meteste nos sonhos, no mel, nos cravos
as pedras que piso..
E apedrejaste a morte
com o teu sorriso.


José Gomes Ferreira

Vi o "mar" ao pôr-do-sol


...num dos últimos dias de 2016.

domingo, janeiro 08, 2017

Tisana 69


a história é infinita. podemos interceptá-la em qualquer ponto. era uma vez uma cidade onde os habitantes sabiam tanto do sofrimento humano que quando acordavam deitavam-se logo.

Ana Hatherly, 463 Tisanas

sexta-feira, janeiro 06, 2017

Don't look back

Would it be too childish

Would it be too childish of me
to say:
I want?
But I do want:
theater, light, color, paintings,
wine and wonder.

Sylvia Plath