quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Murmúrios do mar


"Paga-me um café e conto-te 
a minha vida"

o inverno avançava
nessa tarde em que te ouvi
assaltado por dores
o céu quebrava-se aos disparos
e uma criança muito assustada
que corria
o vento batia-lhe no rosto com violência
a infância inteira
disso me lembro

outra noite cortaste o sono da casa
com frio e medo
apagavas cigarros nas palmas das mãos
e os que te viam choravam
mas tu, não, nunca choraste
por amores que se perdem

os naufrágios são belos
sentimo-nos tão vivos entre as ilhas, acreditas?
E temos saudades desse mar
Que derruba primeiro no nosso corpo
Tudo o que seremos depois

"pago-te um café se me contares
o teu amor"


José Tolentino Mendonça, Baldios


O primeiro poema que hoje me "acorreu" ao olhar... Como gosto muito, entendi que não podia ficar só para mim. 

6 comentários:

CCF disse...

Também gosto muito do Tolentino que, das vezes em que vi, me pareceu em pessoa igual aos seus poemas, suave...
~CC~

(foi o presidente do júri de doutoramento da minha irmã).

deep disse...

Gosto sempre de o ouvir, em entrevistas, e de o ler, nas diferentes formas em que escreve, ainda que prefira a vertente poética, CC.:)

luisa disse...

E ainda bem que a decisão foi trazê-lo para aqui. :)

Laura Ferreira disse...

maravilhoso... :)

Manuel Veiga disse...

agradeço a visita e comentário
é bom saber que está de volta
beijo

fica (mais uma vez) nos meus blogs de estimação.

deep disse...

luisa, é sempre bom partilhar o que é belo.

Laura, pois é!

Manuel, não tem por que agradecer. A visita levou-me, depois, a uma das minhas estantes, onde guardo o seu livro "Poemas Cativos". Beijo