segunda-feira, dezembro 21, 2015

Às vezes

Duy Huynh, "Bee the change"

Às vezes é um insecto que faz disparar o alarme
um zumbido que detona o coração.
Às vezes é uma vírgula que tomba na frase
uma cabeça que desaba num ombro qualquer.
Às vezes é um fósforo
que resplandece venturosas entradas
no dicionário dos dias.
Às vezes nem isso.
Às vezes é um sopro que revira o mundo
no ventre do tempo
como quem se prepara para uma nova vida.

Nuno Costa Santos 

2 comentários:

Anónimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=maSPhzE8wEs

deep disse...

Obrigada, anónimo, pelo contributo. :)