quarta-feira, novembro 25, 2015

Qué suerte tengo


Erica Hopper, "Blancas bench"

Está en el sofá, recogida,
hecha un ovillo. Habla
con su madre por teléfono.
Se ríe. Luego arruga un poco
el ceño. Esas cosas.
Yo, simplemente, la miro,
tiene luz, alma, vida,
me gusta verla, escuchar
su voz. A veces no
puedo evitar decírmelo:
"Qué suerte tienes, cabrón".

Karmelo C. Iribarren, Las luces interiores

Muitas vezes, não temos mesmo noção da sorte que temos... outras, lamentamos não ser a sorte de alguém e que não nos olhem assim, com deslumbramento e ternura, sobretudo com ternura...

2 comentários:

ana disse...

que bom! era mesmo isto que eu precisava, hoje :)

obrigada! beijinho

deep disse...

De nada, ana!

Um bom dia. :) Beijinho