quinta-feira, setembro 24, 2015

Por decreto íntimo


Despede-se o Verão
com os seus dias de ócio e de calor.

Despede-se da cepa que lhe deu vida
e acolheu o cacho farto de uva.

Despedem-se de ti o meu olhar,
as minhas mãos, todo o meu corpo
e, com pontual solidariedade, a alma.

Recolho as mãos, dispensadas do ofício
da ternura.
Cubro, de novo, o coração
para os dias frios que o esperam.

Instituo, por decreto íntimo,
Setembro como o mês das despedidas.

23 de Setembro de 2015


Não gosto de despedidas...

6 comentários:

pcristinasantos disse...

Tão bonito!

Vou desviá-lo!:)

Um beijinho

deep disse...

Obrigada, Paula. :)

Um beijinho

Lídia Borges disse...


Muito belo, o seu poema!

Beijinho

deep disse...

Obrigada, Lídia. :)

Um beijinho

heretico disse...

felizmente que ainda existem decretos que fazem sentido!

gostei muito de ler...

beijo

deep disse...

Obrigada, heretico. :)

Beijo