quinta-feira, dezembro 05, 2013

T-o-M

«O silêncio de uma noite de Inverno em Trás-os-Montes é inexplicável, é irreproduzível.
E dentro do silêncio os sons perfeitos.
O som da lenha que arde e crepita nas lareiras, a canção do fogo que conheço desde a infância, o som do gato que se espreguiça, o som dos passos em pantufas, o som de um fósforo que se acende, o som da chaleira, do ferver da água para fazer chá, de cidreira (...).»

«Zero graus, tudo congelado, os sons, as estrelas no céu, as roupas nos estendais, porque congeladas, consistentes como bacalhaus a secar ao sol, o bafo das chaminés e das bocas, os vidros embaciados, a luz dos candeeiros da rua, dos faróis dos quase nenhuns carros que passam.»

Raquel Serejo Martins, Pretérito Perfeito

4 comentários:

Joaninha Musical disse...

Lindíssimo este texto que escreveste. Eu gostei imenso. Desejo-te um mês de dezembro fantástico e maravilhoso,tudo de bom para ti,beijinhos fofinhos e fica com deus!!

Armando Sena disse...

Os sons, tons e cores de Trás-os-Montes na descrição de Raquel Serejo Martins.
As raízes que nos perseguem, pois as boas referências são eternas.
E que vontade, depois da "Solidão dos Inconstantes" tenho eu de ler "Pretérito Perfeito".

deep disse...

Pois, Joaninha, o texto é bonito, mas, como perceberás, se leres com mais atenção, não é meu. :)

Obrigada pelos votos. Um bom Dezembro.

deep disse...

Armando, terminei ontem "Pretérito Perfeito". Gostei bastante, embora, confesso, me tenha identificado mais com "A Solidão dos inconstantes".