terça-feira, dezembro 03, 2013

Devanear

Os meus amigos oferecem-me amor
em taças de aletria,
em gomos de laranja dos seus quintais
ou em cachecóis que tricotam
com ternuras antigas.

Os meus amigos vertem
a solidão e a felicidade
em chávenas de
café escuro e aromático,
que bebemos a meias.

Não são modelos de beleza  - os meus amigos.
Não são importantes – os meus amigos.
Provavelmente, os meus amigos serão,
como muitos outros – e eu própria –
anónimos medíocres, que a História
não comentará.

Mas que importa tudo isso
se os meus amigos têm laranjas,
aletria e cachecóis para me oferecer?

Deep/ 03 de Dezembro de 2013

11 comentários:

CCF disse...

Que beleza, chega aqui através deste poema um calor que conforta.
~CC~

deep disse...

Obrigada, CC. Se consegui passar essa ideia de calor humano devo-o aos amigos. :)

Um abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

que bonito!

acho que começaste muito bem, e acabaste com chave de ouro.

gostei!

gostei!

:)

deep disse...

Muito obrigada, Piedade!

Beijo :)

DIOGO_MAR disse...

Lindo.
Um verdadeiro hino aos AMIGOS!

http://diogo-mar.blogspot.com/

deep disse...

Muito obrigada, Diogo. :)

deep disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isabel disse...

Gostei!

Os meus amigos, são cada vez mais importantes, para mim! Com a idade, ainda lhes damos mais valor.

Um beijo

deep disse...

Muito obrigada, Isabel. :)

É certo: com a idade, aprendemos a dar mais valor à amizade e desfrutar de pequenos bons momentos com os amigos.

Um beijo

Joaninha Musical disse...

Muito lindo que está o poema que escreveste,gostei bastante de ler. Beijinhos fofinhos e fica com deus!!

deep disse...

Muito obrigada, Joaninha. :)