sexta-feira, setembro 07, 2012

Breve apontamento


Sento-me na varanda, onde, à maneira de outros tempos, secam as casulas e as ameixas, que serão mimos no rigor do Inverno. Daqui a alguns dias, no lugar das ameixas, haverá figos.
No fim desta manhã de Agosto, um súbito vento que se levanta e que refresca o ar lembra, como a luz que se entorna sobre as coisas à minha volta, Setembro, esse mês que, por afortunadas e longínquas vivências, aprendi a amar como a Abril.

1 comentário:

Lídia Borges disse...


Os sentidos nunca nos atraiçoam.

Um belo texto a exalar serenidade.

Lídia