quarta-feira, abril 13, 2011

Assim é... por aqui também...

Há nomes que ficam, sem préstimo, nas agendas,
transitam de ano para ano por inerência
ou desleixo, por vezes o nome próprio
é uma referência obscura, e nunca houve apelido.
Os números, em poucos anos,
passam de mnemónicas a criptogramas,
indicam sem dúvida que nos cruzámos
com gente que se cruza connosco,
que trocámos telefones como se
trocássemos alguma coisa,
mas tudo muda, os conhecidos
tornam-se amigos e depois desconhecidos.
Estes nomes, posso riscá-los
como se fosse velho e eles mortos,
mas os números, como uma praga,
acumulam-se, escritos
com tintas diferentes
e por vezes nas letras erradas.
Não posso desfazer-me das agendas
nem começar uma todos os anos,
mas já não sou o mesmo:
os números observaram as minhas idades
e talvez pudesse agora marcar este
que não me diz nada
e contar tudo
a alguém que não se lembra de mim.


Pedro Mexia, Menos por menos

2 comentários:

Anónimo disse...

vamos deixando as nossas memórias espalhadas por agendas, diários, ou só numa amalgama de pensamentos....

mas também isso nos recorda que vivemos....

bjis mtis

maria3

ParadoXos disse...

adorei, sinceramente, gostei muito do poema!!


abraço fraterno!