sábado, dezembro 04, 2010

É verdade,

Hipatia, o Facebook está longe de substituir um blogue, ainda que ofereça também a possibilidade de publicarmos textos, músicas ou fotos e de remetermos os "leitores" para certas ligações. 
Não achei qualquer graça ao H5 e levei bastante tempo - só depois de muitos convites - a criar uma conta no Facebook. Se ponderei algumas vezes pôr termo ao Letras, mais vezes me passou - e ainda passa- pela cabeça fechar a página do "Face". Antes de tudo, porque me aborrece a forma indiscriminada como conhecidos e desconhecidos se mostram empenhados em estabelecer connosco um "pacto de amizade", a maior parte das vezes com o único intuito de acrescentar a lista de amigos, não se dignando, não raras vezes, a dirigir-nos um cumprimento quando se cruzam connosco na rua, apesar de saberem muito bem quem somos. Suspeito até que certas pessoas são uma espécie de "voyeurs", sequiosos de escarafunchar a vida alheia. Além disso, ainda que tenhamos algum cuidado em limitar o acesso ao nosso perfil e, mais ainda, ao mural ou que evitemos publicar informações muito pessoais, as escolhas ou os comentários que fazemos, só por si, dizem muito de nós, mais do que muitas pessoas merecem saber. Não deixamos, de certa maneira, de escancarar as portas e janelas do nosso quotidiano e, consequente e inevitavelmente, a nossa vida.
É certo que o Facebook nos permite, muitas vezes, a partilha desinteressada ou o convívio assíduo com pessoas de quem gostamos e de quem dificilmente estaríamos tão perto de outra forma, através do próprio perfil ou pela pertença a grupos. É igualmente certo que nos dá acesso rápido a informação variada em tempo útil, sem que tenhamos de fazer grande esforço. Contudo, o imediatismo de que se reveste esta nova forma de comunicar obriga-nos a leituras superficiais, a rejeitar, frequentemente, tudo o que nos faça perder tempo ou nos exija mais esforço.
Sei que, no blogue, a exposição é maior e que aqui deixo sobejamente mais de mim, no que escrevo, nos poemas e nas músicas que selecciono para publicar, porém o facto de me "esconder" sob a pele de um nick dá-me a ilusão de que me mantenho longe de olhares indiscretos, mesmo que alguns dos meus visitantes saibam quem sou e tenha sido eu quem lhes deu "livre-acesso" para me visitarem e para, desta forma, me conhecerem um pouco mais e poderem fazer-me companhia neste espaço que, não sendo de papel, se vai fazendo (cada vez menos) de letras.

3 comentários:

Koky disse...

Concordo, também o meu perfil no Facebook foi de certo modo resultado da cedência à "pressão social".

Contudo, vejo-o como um modo tão fútil e superficial de manter, estreitar, criar, e sei lá mais o quê, relações que, acaba por não não me aquecer, nem arrefecer.

Quando me lembro, vou lá e partilho, ou desfruto das partilhas. E sinceramente, como diz o outro, quem não deve, não teme. Por isso, não há-de o meu perfil transmitir de mim, mais do que já eu, em pessoa, transmito.

Yashmeen disse...

É um prazer ter-te na minha lista de amigos do FB :)

deep disse...

Koky, o Facebook tem aspectos positivos, sobretudo as partilhas. Não quis dizer que sou outra no blogue, mas admito que me sinto mais "confortável" por cá. :)

Yashmeen, obrigada. Também é para mim um prazer encontrar-te por lá, mas gosto igualmente de te saber por aqui. :)