sexta-feira, setembro 24, 2010

Preso por ter cão, preso por não ter

Nunca sabemos quando as nossas atitudes, as palavras que proferimos ou escrevemos ou o silêncio são geradores de equívocos. 
Se procuramos dar corpo ao que sentimos pelas palavras, nem sempre usamos a medida certa (o que para nós pode ser a medida certa, pode não ser a medida certa para quem nos escuta ou nos lê), nem sempre escolhemos as palavras que os outros querem ouvir de nós ou não conseguimos a sintonia necessária para que haja clareza e entendimento.
Se, pelo contrário, optamos pelo silêncio, arriscamos a que os outros tomem esse silêncio por indiferença.
O mesmo se passa com as atitudes que tomamos para nos aproximarmos dos outros: nunca sabemos que interpretação fazem dos nossos gestos mais desinteressados e inócuos.

Devaneios de uma tarde de Outono...

3 comentários:

Anónimo disse...

e só para chatear um pouco mais a comunicação é um equívoco, falamos sózinhos... tantas palavras em português e raramente nos chegam...;)

Anónimo disse...

...já se pensarmos na poesia, se calhar é a melhor forma de comunicarmos... pena não ser poetisa...


bjokas mtas

maria3

deep disse...

maria3, concordo contigo: poucas vezes as palavras são suficientes.

Pois é... pena é que nem todos possamos comunicar pela poesia.

Beijocas e um xi