sábado, julho 04, 2009

traz-me uma casa do horizonte deserto

Imagem: Lighthouse Hill de Edward Hopper
Traz-me uma casa do horizonte deserto lá onde o mar começa e os meus olhos se fecham trá-la pela carne da vaga pedra a pedra conseguida trá-la vaga, descoberta de franquia, porta aberta trá-la de coral e de limos há-de reluzir nas colinas há-de crescer de guarida para quem nela entre e habite trá-la hoje a hora que o sol posponte e se veja lá no horizonte janelas, portadas abertas gente a entrar, a sair delas encontrando tesouros fazendo descobertas Há séculos que não há caravelas mas ainda se queimam círios em muitas casas por dentro sem rosto sem remetente sem que um pássaro possa desabrochar numa flor. José Ribeiro Marto, Pastoreio Obrigada, Poeta!

5 comentários:

Alecrim disse...

Tão lindo! :)

Valentim Coelho disse...

Olá,
queria agradecer as tuas palavras no meu blog e desejar-te um bom fim de semana.
Cumprimentos.

vaandando disse...

Cara deep, humildemente lhe agradeço a divulgação !
abraço
________ JRmarto

clorinda disse...

Belo poema ilustrado por uma não menos bela imagem.
Magnífico post.

eMe-a-eMe disse...

que lindo : )
obrigada pela partilha.