segunda-feira, dezembro 08, 2008

livros e ofertas

Em todos os Natais, opto por oferecer (também) livros, porque há, felizmente, à minha volta, várias pessoas para as quais os livros continuam a ser uma óptima prenda - eu, por exemplo, não me importo mesmo nada que mos ofereçam, desde que deixem de lado determinados autores que vendem ao peso e que estão na moda e que começam a encher as estantes e os escaparates de qualquer livraria.
Como já referi noutro texto, gosto do cheiro dos livros, gosto de os folhear, da textura das capas e das folhas. De vez em quando, por necessidade ou por simples "bisbilhotice", entro numa das livrarias da terra e dou a mim própria um tempo de convívio com os livros. Namoro uns volumes mais uma vez, folheio outros que, pelo título, pelo autor ou pela ilustração da capa, me prendem a atenção. Por vezes, concedo-me uma extravagância; outras vezes, compro um título de uma edição barata; outras ainda - o que é raro -, reprimo o impulso e saio de mãos a abanar.
Infelizmente, quando procuro um livro específico, para mim ou para oferecer, é muito raro encontrá-lo. Poderia encomendá-lo, mas a experiência diz-me que terei que percorrer o mesmo caminho algumas vezes até que a resposta seja afirmativa. Acresce a este o facto de os livros por cá serem mais caros do que nas livrarias do Porto que costumo visitar. Em alternativa, nos últimos tempos, tenho optado pela compra online. Não usufruo do prazer de sentir o livro, contudo perco menos tempo na escolha e na espera (por norma dois dias) e poupo alguns euros (mesmo pagando os portes). Foi assim que fiz a maior parte das compras de Natal este ano. Os que não encontrei nas livrarias online, adquiri-os hoje na única Bertrand que existe em Trás-os-Montes. Foram mais caros do que na Fnac ou na Wook (esta é a opção mais barata), mas, em contrapartida, tive um livro de oferta - As rimas de Petrarca, numa tradução do Vasco Graça Moura -, cuja compra andava há muito a adiar. Ao que parece, durante esta quadra, a Bertrand oferece a quem fizer uma compra (não importa o valor) um livro publicado pela própria editora.

4 comentários:

eMe-a-eMe disse...

que saudades tinha destas tuas letras : )
isto de andar sem internet em casa se ao principio teve a sua piada, voltei a ter tempo para coisas que já não fazia, agora não tem piada nenhuma.
no escritório fico sem tempo para vir passear pelos meus blogs de estimação e dá nisto. fico que tempos sem passear por aqui e por ali.

fazes muito bem em optar pelos livros.
eu penso que vou fazê-lo todos os anos mas o meu pessoal anda tão sem tempo para se dedicar ao prazer da leitura que acabo por fazer outra opção.

Infame da Vileza disse...

Nunca comprei livros via internet, a não ser manuais. Acho uma óptima ideia. Um dia destes vou tentar, embora o Porto esteja, ás vezes, mais perto para mim do que para ti.
Na Bertrand recebi um livro de Francesco Alberoni.
Bjs

Anónimo disse...

No início da semana recebi a minha ecomenda fnac oneline. Dois livros infantis que decidi oferecer antecipadamente à pequena,aproveitando a seguir umas leituras na sala de aula para acalmar espíritos irrequietos. E olhem que resulta...
Bjinhos boa semana.
wandolas

P.S. Acho que vou dar saltinho a uma Bertrand perto de nós.

Nilson Barcelli disse...

Para mim, as melhores prendas são mesmo os livros.
Sou como tu...
Beijinhos.