terça-feira, setembro 16, 2008

Soneto superdesenvolvido

É tão suave ter bons sentimentos
consola tanto a alma de quem os tem
que as boas acções são inesquecíveis momentos
e é um prazer fazer bem

Por isso se no verão se chega a uma esplanada
sabe melhor dar esmola que beber a laranjada
Consola mais viver assim no meio de muitos pobres
que conviver com gente a quem não falta nada

E ao fim de tantos anos a dar do que é seu
independentemente da maneira como se alcançou
ainda por cima se tem lugar garantido no céu
gozo acrescido ao muito que se gozou

Teria este (se não tivesse outro sentido)
ser natural de um país subdesenvolvido

Ruy Belo, Todos os Poemas

5 comentários:

Anónimo disse...

Infelizmente para nós, quem ironiza assim, não está presente nas hipocrisias actuais, nacionais ou não...

Bjis mtis

rubia

Nilson Barcelli disse...

Quem me dera saber escrever assim...
Parabéns pela escolha.
Beijinhos.

vaandando disse...

cheio de ironia como diz a Rubia e bem, por momentos hesitei no reconhecimento, pareceu-me Alexandre O´Neil........

___________________ cordialmente
José Ribeiro Marto

clorinda disse...

Da poesia de Ruy Belo gosto muito, ainda mais d´"O Girassol de Rio de Onor" que há muito estava guardado para o meu cantinho, hoje dei-lhe outro destino.
Parabéns pela escolha.
Abraço

Infame da Vileza disse...

A minha passagem pelo Sul mostrou-me que prefiro alcançar o céu a beber laranjada na esplanada!
Bjs