quarta-feira, março 26, 2008

empatias

(Do mini-jardim da minha mãe)

Nada havia que retivesse Cecilia em casa; ninguém se importaria muito se ela partisse. Também não era o torpor que a prendia - sentia muitas vezes uma agitação próxima da irritabilidade. Simplesmente, gostava de sentir que a impediam de partir, que era precisa ali. (...) Ia-se deixando ficar, na monotonia e no conforto da sua casa, era uma espécie de autopunição com laivos de um prazer real, ou, pelo menos, esperado; se partisse, podia acontecer qualquer coisa de mau, ou, pior ainda, qualquer coisa de bom que ela não poderia dar-se ao luxo de perder.



Ian McEwan, Expiação

2 comentários:

wandolas disse...

Linda flor...
Bjinhos

Nelumbo nucifera disse...

Inversamente ao teu comment no "El amor en los tiempos del cólera", não li o livro mas vi o filme. Se todos os que cometem erros crassos se arrependessem como Cecilia, o Mundo seria, certamente, melhor.