sexta-feira, julho 21, 2006

Metamorphosis - Escher
Falas da civilização, e de não dever ser, Ou de não dever ser assim. Dizes que todos sofrem, ou a maioria de todos, Com as coisas humanas postas desta maneira, Dizes que se fossem diferentes sofreriam menos. Dizes que se fossem como tu queres, seriam melhor. Escuto sem te ouvir. Para que te quereria eu ouvir? Ouvindo-te nada ficaria sabendo. Se as coisas fossem diferentes, seriam diferentes: eis tudo. Se as coisas fossem como tu queres, seriam só como tu queres. Ai de ti e de todos os que levam a vida A querer inventar a máquina da felicidade! F. Pessoa - Alberto Caeiro

3 comentários:

Miudaaa disse...

Fernando Pessoa, foi e será sempre um dos meus escritores preferidos... "escuto sem te ouvir",,, tantas e tantas são as vezes que nos fazem esta travessura e nós não o percebemos pelo simples facto de que não o queremos, assim entender...!!!
Um senhor.
Obrigada por partilhares connosco uma parte do F.Pessoa...

TsiWari disse...

Se as coisas fossem como tu queres... como seriam as coisas?

deep disse...

Miudaaa, também gosto bastante de Pessoa, sobretudo dos heterónimos Alberto Caeiro e Álvaro de Campos.
Não tens que agradecer. Estamos aqui para partilhar, não é?

Tsiwari, as coisas raramente são como eu quero, porque poucas vezes faço finca-pé para que sejam -quando faço, por norma, arrependo-me, por me sentir uma menina mimada a fazer birra.
Se conseguisse que algumas coisas fossem como eu gostaria, algumas pessoas, antes de procurarem envenenar os outros, teriam uma grande dor de barriga provocada pela ingestão do seu próprio veneno - ideia sugerida por acontecimentos menos felizes de hoje! -, não existiriam a guerra, nem a fome, nem a violência... Ena, com tantos lugares comuns - mas não desprezíveis, antes pelo contrário! - acabei por me sentir, só no discurso, uma candidata a miss-qualquer-coisa!!!

Bjs e bom fim-de-semana.