segunda-feira, novembro 21, 2005

Amor

o teu rosto à minha espera. o teu rosto a sorrir para os meus olhos. existe um trovão de céu sobre a montanha. as tuas mãos são finas e claras. vês-me sorrir. brisas incendeiam o mundo. respiro a luz sobre as folhas da olaia. entro nos corredores de outubro para encontrar um abraço nos teus olhos. este dia será sempre hoje na memória. hoje compreendo os rios. a idade das rochas diz-me palavras profundas. hoje tenho o teu rosto dentro de mim. (José L. Peixoto, A Casa, a Escuridão)

1 comentário:

Ana disse...

nada melhor k KLIMT para ilustrá-lo