terça-feira, agosto 01, 2017

Devanear

Os amigos

Os amigos estendem a toalha
sobre a mesa e, sobre esta,
pousam, no lugar dos copos,
no lugar do pão e do vinho, o coração.
Para que te sirvas, de afectos.
(Há vezes em que, incautos,
deixam que o pises debaixo dos pés.)

São ancoradouro para barcos cansados,
os amigos.
Depósitos de mágoas  - os amigos.
São eternos adolescentes rebeldes – os amigos -,
que ouvem, nostálgicos, os álbuns dos Pink Floyd
e cantam repetidamente Wish you were here,

esquecidos da passagem do tempo e das modas.

deep, Julho de 2017

6 comentários:

ana disse...

eternos adolescentes, os amigos :)

luisa disse...

Os amigos são imunes à passagem do tempo.

Graça Pires disse...

Como dizia Eugénio de Andrade "um amigo é o lugar da terra onde as maçãs brancas são mais doces".
Um poema muito belo, o seu.
Beijos.

Graça Pires disse...

E como é bom ter amigos verdadeiros...
Gostei muito deste poema.
Uma boa semana.
Um beijo.

Isabel disse...

Em cada época da vida os amigos têm o seu papel. Creio que com a idade, aqueles que permanecem se tornam ainda mais importantes:)

Bonito , o teu poema:)

Beijinhos e bom fim-de-semana:)

deep disse...

Obrigada pelas palavras e pela companhia. (Tenho sido uma antipática.)

Beijos