sábado, março 25, 2017

Mais tarde será tarde e já é tarde

Homenagem a Ricardo Reis

I

Não creias, Lídia, que nenhum estio
Por nós perdido possa regressar
Oferecendo a flor
Que adiámos colher.

Cada dia te é dado uma só vez
E no redondo círculo da noite
Não existe piedade
Para aquele que hesita.

Mais tarde será tarde e já é tarde.
O tempo apaga tudo menos esse
Longo indelével rasto
Que o não-vivido deixa.

Não creias na demora em que te medes.
Jamais se detém Kronos cujo passo
Vai sempre mais à frente
Do que o teu próprio passo.


Sophia de M. B. Andresen, Poemas sobre Pessoa

3 comentários:

luisa disse...

Sempre corremos atrás do tempo.

deep disse...

E ele é sempre, como o Lucky Luke, mais rápido do que a própria sombra!

Luis disse...

a mania de fazer poesias ás lidias, dever ser porque não existem e assim as mulheres chateiam menos