terça-feira, março 07, 2017

Adão e Eva

Não temas a trovoada,
o aconchego do relâmpago.
Senti-la aqui tão perto
é um regalo a poucos concedido.

Se a casa tremer,
lembra-te que não é de medo
nem do frio das paredes.

As casas só tremem
porque estão de pé,
fundadas na terra que recebe
as ossadas dos relâmpagos:
as trovoadas.

Não temas os mortos
nem o aconchego dos vivos,
nem deixes morrer nos vivos
as trovoadas que fazem tremer
as casas.

Henrique Manuel Bento Fialho, Dança das feridas

2 comentários:

luisa disse...

Por vezes precisamos de uma ou outra trovoada que nos abane e nos lembre que estamos vivos e que precisamos fazer alguma coisa disso.

deep disse...

Sem dúvida, luisa. :)