quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Inquietantes os dias sem memória

Inquietantes os dias sem memória
Como se o magma em que se despenham
Fosse apenas mar de sargaços.

E o sol que das cigarras tem o canto
Fossem pingos de chuva. Gelado.
E as bocas fossem apenas grito sufocado. E o cântico
Vazio das almas saturadas... Ou fossem  os vãos desertos
Das portas...

Caminhamos injustiças como quem apascenta
Descuidados rumores da fome. E (des)esperamos
Que nesta auréola de frio escorra o sémen
Das horas. E germine a vibração do tempo...

Incertas as praças. Prenhes embora de couraçados.
E auroras faiscantes...

Lá longe o farol clama.
Na intermitência das dores. E dos relâmpagos...


Manuel Veiga, Poemas Cativos, poética edições

2 comentários:

Manuel Veiga disse...

totalmente inesperado! que bela surpresa.
grato mesmo. do coração.

beijo

deep disse...

Não ter por que agradecer. O que é belo tem de ser divulgado. :)