terça-feira, novembro 08, 2016

Resgatado do baú


Murat Turan


Sobrevive, na ponta dos meus dedos,
o cheiro a pólvora
dos disparos silenciosos, mas certeiros,
que trocámos.

No meu peito há, agora, estilhaços
e há uma ferida aberta
onde devia bater, em ritmo regular,
o coração.

No céu, gritam aves que,
abruptamente, se despenham em agonia.
Talvez as salve a proximidade da água,
talvez a memória da vertigem.


Deparei, há minutos, com este "devaneio" que, suponho, tem uns meses ou, quiçá, mais de um ano.

.

Sem comentários: