terça-feira, setembro 06, 2016

Os homens


«Os homens têm sempre alguma coisa de patético, em qualquer idade. Uma insolência frágil, uma audácia temerosa. Hoje já nem sei se alguma vez despertaram em mim amor ou apenas uma afectuosa compreensão pelas suas fraquezas.»

Elena Ferrante, A Filha Obscura, Crónicas do Mal de Amor

Será? Há homens patéticos, é certo, mas também há mulheres que o são. O ser humano consegue sê-lo muitas vezes, sobretudo quando se orgulha de ser o contrário.

8 comentários:

Isabel Pires disse...

deep, pois, não será. Digo isto atendendo à definição pejorativa que normalmente é atribuída a "patético". Porque se fossemos pelo conceito positivo, a conversa já seria outra.
De qualquer dos modos, nunca acho que os homens e as mulheres integrem, assim em bruto, pacotes de generalidades tão diferenciadoras ao nível do género.
Repara que é vulgar, e ali também acontece, que essas tiradas tenham algo de agressivo. Não gosto disso.
Patético é agressivo.
Ainda não li nada da Elena Ferrante. Por pedaços que tenho apanhado, como agora, torço o nariz.

deep disse...

É certo, Isabel, que "patético" adquire, muitas vezes, esse significado pejorativo, ainda que, na origem, tenha que ver com emoções e provenha de "pathos", de onde derivam palavras de sentido positivo, como "empatia" e "simpatia".
As palavras que transcrevi traduzem o pensamento de uma personagem, não da própria autora, quero acreditar. :)

Eu li dois livros dela e parte deste. Há, na sua escrita, aspectos positivos e aspectos negativos. A minha opinião ainda não é definitiva.

Isabel Pires disse...

Mas o pensamento dessa personagem atribui o sentido pejorativo a patético ou não?

deep disse...

Isabel, penso que, aqui, "patético" pode ser sinónimo de "infantil" (no que a palavra pode ter de bom ou de mau). Fico com a impressão de que a personagem quer dizer, ainda que de forma um pouco "labiríntica", que os homens nunca crescem ou de que conservam o seu quê de inocência. Ao dizê-lo, deixa transparecer uma mistura de sentimentos (uns positivos, outros negativos), como compaixão, condescendência,mas também ternura. :)

Catarina disse...

Li os livros desta série de Elena Ferrante. Ela tem uma opinião muito acutilante do ser humano. : )

deep disse...

Catarina, as personagens são sofredoras, talvez daí resulte essa opinião sobre o ser humano. :)

CCF disse...

Vou no 3º livro da Tetralogia que se inicia com a Amiga genial e estou rendida, é um fresco magnífico da história do século XX em Itália e da luta das mulheres pela sua independência, contudo, nada disto é dito num tom panfletário mas profundamente humano. Bem escrito, embora me apetecesse ler em italiano já que de quando em quando sinto que a tradução não chega lá. Agora vou ler tudo, como fiz com a Duras, até saber bocados de cor.
~CC~

deep disse...

CC,também li os dois primeiros, de um fôlego. Neste momento, leio Crónicas do Mal de Amor,mas conto ler os dois volumes que faltam da tetralogia. Também eu torço o nariz, de vez em quando, à tradução e à correção linguística.Talvez seja isso que ainda me deixa reservas.
Há muitas coisas com as quais me identifico.

Boas leituras e bom fim de semana. Abraço. :)