terça-feira, janeiro 19, 2016

Somos folhas breves

Somos folhas breves onde dormem
aves de silêncio e solidão.
Somos só folhas ou o seu rumor.
Inseguros, incapazes de ser flor,
até a brisa nos perturba e faz tremer.
Por isso a cada gesto que fazemos
cada ave se transforma noutro ser.
Eugénio de Andrade (que nasceu há 93 anos)

9 comentários:

Mar Arável disse...

O nosso Eugénio

sempre vivo

Isabel disse...

A fotografia é mesmo muito bonita. Parece uma pintura.

E a poesia de Eugénio de Andrade é sempre linda:)

Beijinhos:)

Isabel disse...

...e a fotografia tem algo de pintura japonesa...muito bonita!

Luis disse...

o corpo nasceu há 93 anos
o poeta consegue-se saber talvez
o meu geninho, só sei que estava sentado numa cadeira do liceu de setubal quando me apareceu

bem haja uma professora de quem não me lembro sequer do nome, mas que partilhava esse gosto

heretico disse...

"rumor" de Poesia. aqui...

beijo

Mar Arável disse...

Eugénio de Andrade
sempre vivo

deep disse...

Obrigada, a todos, pelas palavras e pela presença.

Bom fim-de-semana.:)

Beijos

ana disse...

o frágil e eterno eugénio...

deep disse...

Talvez daí venha a beleza da sua poesia,ana. :) Beijo