segunda-feira, novembro 30, 2015

Conto até cem

Conto até cem e, se não chegares antes dos cem, vou-me embora. Não chegaste antes dos cem. Conto de cem a um e, se não chegares antes do um, vou-me embora. Não chegaste antes do um. Conto dez automóveis pretos e, se não chegares antes dos dez automóveis pretos, vou-me embora. Não chegaste antes dos dez automóveis pretos. Nem antes dos quinze taxis vazios. Nem antes dos sete homens carecas. Nem antes das nove mulheres loiras. Nem antes das quatro ambulâncias. Nem sequer antes dos três corcundas e, entretanto, começou a chover.

António Lobo Antunes

Surripiado daqui

(Penso que já o publiquei antes.)

5 comentários:

CCF disse...

Fantástico, a fazer lembrar a história da mulher que contei ontem na rua da índia! Obrigada pelo teu comentário por lá, teve resultados surpreendentes.
Beijinho

Luis disse...

?!?! Não começou nada. Pelo menos aqui não. Mas passaram dois táxis cheios e um careca.

Já faltou mais.

deep disse...

É verdade, CC, há nas duas histórias o mesmo desespero. :) Não tens de agradecer.
Beijinho

Luís, há que ter esperança, mesmo quando chove. :)

ana disse...

abençoada chuva :)

deep disse...

Não serve só baixar o pó, ana. Também apazigua o desespero. :)