terça-feira, fevereiro 03, 2015

Onde o tempo fez a teia


É ali que eles vivem:
ali onde o tempo fez a teia.

Alguns pousam os olhos sobre
as gotículas  que a chuva
emprestou à teia, obra de
perversidade ou de sedução.
Incapazes de um gesto,
passam em revista
quadros difusos da vida vivida
e dos dias sonhados.

Outros, em lentos meneios de cabeça,
condenam a leviandade jovem
que os afronta.
Gastam as horas, deitando sobre a mesa
cartas gastas e viciadas
na esperança vã
de que a sorte os bafeje no jogo,
descrentes dos proveitos do amor.


Deep, 03 de Fevereiro de 2015

5 comentários:

Mar Arável disse...

Uns e outros

perdidos nas suas próprias teias

pcristinasantos disse...

Muito bonito e penetrante!
Que o vento seja sempre favorável :)) Boa semana!

deep disse...

Por vezes, assim sentimos a vida, Mar Arável, como uma teia, que nos limita os movimentos. :)

Paula, obrigada!
Assim espero.:) Boa semana. Beijinho

Isabel disse...

Gostei do poema, mas mais ainda da foto. Acho-a muito bonita.

Bom fim-de-semana:)

deep disse...

Obrigada, Isabel. :)

Bom fim-de-semana.