segunda-feira, dezembro 08, 2014

Sem muros nem amos

Sexta-feira revela-se o primeiro dia de verdadeiro frio transmontano. Aquele frio que ameaça levar-nos o nariz e espalhar uma camada de gelo em tudo o que toca.
Depois de um périplo breve pelas lojas, quase a fechar, entro na pastelaria do costume, onde procuro conforto numa chávena de chá. Nos escassos minutos que separam o meu pedido da chegada do chá à mesa, abro o último livro de poesia do Eufrázio Filipe - Presos a um sopro de vento -, que, meia hora antes, vislumbrei na livraria e tratei de o "privatizar". Li, de um fôlego, vários poemas, entre os quais este que vos deixo. 

"Sem muros nem amos"

As andorinhas chegaram mais cedo
ao seu ninho preferido
o de sempre

Os senhores do mundo
que não são senhores da vida
designaram dias
para todos os santos

criaram
não o dia das andorinhas
mas o dia da mulher

Na verdade dos desertos
há flores nas areias
mulheres que valem por si

atravessam oceanos
rasgam o chão

São as mulheres que amo
com asas
sem muros nem amos

Eufrázio Filipe, Presos a um sopro de vento, poética edições

Sem comentários: