sexta-feira, dezembro 05, 2014

Apontamento I

O homem estava de costas e deslocava-se com alguma dificuldade. Impressionou-me, de imediato, a sua compleição frágil, acentuada por roupas de cor neutra, demasiado largas para o seu corpo franzino. Ocorreu-me que estivesse doente.
Só quando se voltou, me dei conta de que falava ao telemóvel e de que era mais jovem do que me parecera.
Havia desespero e mágoa na forma como se deslocava e como colava o rosto ao telemóvel.
Depois que a camioneta em que eu seguia retomou a marcha, a imagem do homem prolongou-se no meu pensamento. Imaginei que se recusava a aceitar o fim daquela que acreditou ter sido uma história de amor.

3 comentários:

Mar Arável disse...

Olhos que captam histórias improváveis

deep disse...

:)

Isabel disse...

...ou histórias prováveis...