quarta-feira, outubro 08, 2014

fábula opticamente incorrecta

escrevo o teu nome vezes sem conta ou digo as sílabas em silêncio
habituei-me a escrevê-lo só para mim por saber que ninguém o leria
acordo com o teu nome e essas letras não me abandonam todo o dia

mas tudo isto é um erro: não devia ser possível apaixonar-me assim
sei agora que o olimpo é um sítio imperfeito e os deuses algo falíveis
se assim não fosse, cupido teria ido mudar as lentes – e acertado em ti

josé luís

Texto desviado daqui, com o consentimento do autor.

Sem comentários: