segunda-feira, fevereiro 03, 2014

Poema do coração


(Desenho da autoria da minha irmã)

Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,
e também a Bondade,
e a Sinceridade,
e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração.
Então poderia dizer-vos:
"Meus amados irmãos,
falo-vos do coração",
ou então:
"com o coração nas mãos".

Mas o meu coração é como o dos compêndios.
Tem duas válvulas (a tricúspida e a mitral)
e os seus compartimentos (duas aurículas e dois ventrículos).
O sangue ao circular contrai-os e distende-os
segundo a obrigação das leis dos movimentos.

Por vezes acontece
ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados,
e uma lâmina baça e agreste, que endurece
a luz dos olhos em bisel cortados.
Parece então que o coração estremece.
Mas não.
Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático,
que esse vento que sopra e ateia os incêndios,
é coisa do simpático.
Vem tudo nos compêndios.

Então, meninos!
Vamos à lição!
Em quantas partes se divide o coração?


António Gedeão, Poesias Completas

6 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

escolheste um poema muito bonito do António Gedeão, mas confesso que fiquei muito surpreendida com a imagem.

a tua irmã tem imenso talento.

boa semana.

beijos

:)

deep disse...

Muito obrigada, Piedade. A mana também agradece. :)

Boa semana. Beijos

Isabel disse...

O poema é lindo e adorei a imagem!
Está ligada a artes, ou é só auto-didacta?

Um beijo e continuação de boa semana!

deep disse...

Muito obrigada, Isabel.

A minha irmã tem formação na área.

Beijo e bom resto de semana.:)

CCF disse...

Sempre genial este poeta...mas com uma simplicidade.
Beijinho
~CC~

deep disse...

Sem dúvida, CC. :)

Um beijinho e bom fim-de-semana