quinta-feira, dezembro 19, 2013

Há coisas às quais não nos habituamos

Por mais que os anos passem e eu envelheça, não consigo habituar-me ao facto de ir perdendo pessoas com as quais tive proximidade e julguei amigas. 
Constato que a maior parte dessas perdas aconteceu por orgulho, de ambas as partes, e por falta de diálogo. Por falta de diálogo não se desfazem equívocos, não se saram mágoas.
Perdi, sobretudo depois dos 20 anos, algumas pessoas que foram muito importantes. Apesar de já ter passado por isto umas três vezes (se bem me lembro), não consigo habituar-me à ideia, nem encontro forma de ficar menos triste. Fico triste por não saber, muitas vezes, os motivos concretos pelos quais algumas pessoas se afastam e se zangam comigo e por não haver um esforço, de ambos os lados, para evitar que uma (suposta) amizade se perca de vez.

5 comentários:

Mary M. disse...

Nossos tristes aprendizados. Perdoar-nos, Perdoar e Liberar acredito eu.
Boa reflexão para um final de ano.
beijos,

deep disse...

Tudo é aprendizagem, Mary.
Obrigada pela visita. :)

deep disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Aurora disse...

Olá amiga, L. F.. Todos nós perdemos alguém, isso faz parte da vida.Nada na vida acontece por acaso. São importantes as pessoas que permanecem ligadas a nós, mesmo que haja um hiato temporal por se perderem contactos...Quem é amigo permanecerá connosco. Beijinhos L.F. Um Ano de Esperança, Paz....

deep disse...

Assim é, Aurora. Hoje sei que acabo por habituar-me. É uma questão de tempo. Antes de mais devemos valorizar quem permanece e quem reaparece nas nossas vidas. Para ti, um 2014 pleno de realizações, em que não percas a capacidade de sonhar. :)