segunda-feira, agosto 26, 2013

Quero

Quero, como mãos alheias,
colher da vida
frutos proibidos,
rasgar o ventre da terra
e sorver-lhe o líquido
que emana das entranhas.

Quero, como os homens sem dono,
percorrer caminhos de pó,
e, sob árvores em êxtase,
enterrar memórias
e sobreviver-lhes.

Quero ouvir de ti
palavras límpidas
onde possa, sem remorso,
deitar a minha mágoa

e resgatar a minha paz.

Deep/ Agosto de 2013

4 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

um Quero cheio de esperança...

boa semana.

Beijo

:)

manuel cardoso disse...

Muito bom!

Lídia Borges disse...


Desejo legítimo para quem se dispõe a trilhar caminhos difíceis, ainda que verdes de esperança.


Um beijo

deep disse...

Obrigada a todos pelas palavras e pela "companhia".

Abraços e votos de bom fim-de-semana. :)