sexta-feira, junho 07, 2013

Acordar

Acordar um dia do outro lado do dia. Ter alguém à minha espera e uma certeza de caminho nos pés.
Alguém que fuja comigo para fora de mim, capaz de roubar-me às tantas voltas que dei sem nunca sair daqui.
Um corpo curto de braços e apertado no peito, uma casa onde moro e onde não mora ninguém. Livros em cima de livros em cima de livros em cima de mim.
Alguém que me faça disto alguma coisa, que traga cheiros e palavras com sangue dentro.
Alguém que empreste só para eu poder pagar, com juros altos e impossíveis, numa dívida em que me enterre até ao Fim. 


Nuno Camarneiro, "Acordar um dia XLVI"

2 comentários:

Mar Arável disse...

Tudo se conquista

quase tudo

deep disse...

Quase tudo. :)