quarta-feira, abril 10, 2013

Das minhas leituras


«Quando alguém conta um dia ou uma vida, está a calar quase tudo, as vidas são imensas e não se podem contar só por palavras. Haveria de inventar artes de encher silêncio e de descobrir nele o peso certo do que somos. O que se é só se pode encontrar no que não é dito, nas culpas deixadas dentro, nos castigos que se vão escolhendo.»

Nuno Camarneiro, Debaixo de algum céu (Prémio Leya 2012)

4 comentários:

Anónimo disse...

Ontem vi o filme "PALAVRAS" e fiz uma analogia com esta sua publicação.
" Na vida não é difícil fazer opções, é difícil viver com elas".

Quem nunca carregou com culpas?

deep disse...

Também vi o filme de que fala, no fim-de-semana. Não será mesmo nada fácil viver com uma opção como a que a personagem fez. Certo é que a culpa só tomou conta dele, quando foi descoberto.
Culpas e remorsos todos temos. :)

Mar Arável disse...

Os "melhores" poemas

nunca foram escritos

deep disse...

Mar Arável, aqueles que se vivem e ficam por dizer ("Por isso escrevo em meio/ do que não está ao pé", como escreveu o Pessoa).