sexta-feira, janeiro 25, 2013

Devaneando...

 
(Mosteiros, S. Miguel/ Julho de 2011)
Falas-me do sol
e da areia morna
de outros poentes.

Em troca, conto-te
o frio das noites,
o cinzento das horas
que se agarrou a mim
como uma pele nova.

Peço-te, com os olhos
e com o que silencio,
que me leves contigo
a ver os poentes em brasa
de que perdi a memória.

Mas tu ignoras os meus gritos,
tu preferes não ver
o gume em que caminho
nas horas de desespero...

Tu nunca ficas:
o teu coração precisa de luz...

Tu nunca ficas: os teus braços
anseiam ser asas...

Tu nunca olhas para trás: o teu mundo
são o mar e a vastidão
de montanhas e de desejos...

2 comentários:

Anónimo disse...

Sim, há quem nunca fique...
O texto é belo e a foto também.

deep disse...

Obrigada. :)

Bom fim-de-semana.