quarta-feira, junho 13, 2012

Cenário com os pés de fora


Deitamo-nos com a cama por fazer.
Uma pilha de blusas cai. Chão de verão.
Amor à tardinha com a vida desarrumada,
as coisas a meio. Até o silêncio está desarrumado. 
Gosto deste cenário.
Há nele uma verdade que nem mesmo sei.
O meu quarto antigo sempre em desalinho
com os livros no chão ao pé da cama. Sentir
que a vida não é uma coisa útil e a horas,
e tu menos ainda, sem dobra no lençol
e os pés de fora. Foi isto que quis 
na minha vida. Sem buracos de ozono,
sem buracos de fome ou de balas
atravessando os lençóis do mundo.

 Rosa Alice Branco

Conheci o trabalho desta poetisa recentemente. Gosto do pouco que ainda conheço.

4 comentários:

Anónimo disse...

Adorei!Cenários verdadeiros contêm a desarrumação do dia a dia...a perfeição cada vez mais me soa a fabricação! E a tua amiga está cada vez mais fora do sistema...;))( ou pelo menos assim se sente!)

Elsa A.

Anónimo disse...

Gostei muito. Simples, mas cheio de expressividade! Ótima descoberta!

Mar Arável disse...

Equilíbrios

na assimetria

deep disse...

Também eu, Elsa, me sinto cada vez mais fora do sistema... em tantas coisas! :)

Anónimo, o difícil, por vezes, é conseguir-se a simplicidade. :)

Mar Arável, a harmonia no caos... :)