domingo, maio 27, 2012

Nós e os outros

Ainda que tenhamos consciência de que a imagem que os outros fazem de nós não coincide com aquela que nós próprios construímos, não deixamos de ficar surpreendidos sempre que alguém, no meio de uma conversa, se pronuncia sobre a forma como nos vê ou quando, por vias travessas, nos chegam ecos do que terão dito sobre nós.
Assim, aos poucos, vamos sabendo, por exemplo, que a timidez é vista por alguns como sinónimo de calma, reserva e ponderação e que, pelo contrário, outros a entendem como "santidade", no que esta tem de mais pejorativo. Apercebemo-nos de que há pessoas que vêem essa timidez ou a dificuldade em dizer "não" como fraqueza e falta de carácter e que há ainda outras que nos admiram pela nossa segurança, pelo que sabemos ou pelo que sabemos fazer.
Aquilo que pode realmente surpreender-nos ou intrigar-nos, sobretudo quando não nos julgamos mais do que pessoas medianas, com uma existência vulgar e ambições moderadas, é que haja à nossa volta quem possa invejar-nos e querer-nos mal pelo que somos e por motivos que são para nós insignificantes ou até misteriosos.

1 comentário:

Anónimo disse...

É uma dualidade que sempre me intrigou também: o que nós sabemos de nós e o que os outros veem em e pensam de nós. A questão de haver quem nos inveje, quando não encontramos qualquer razão para isso, também sempre me fez confusão... Mas é um facto.