quinta-feira, maio 03, 2012

Assim parece ser

Dizia, há dias, uma amiga, visivelmente triste, que dedicamos cada vez menos tempo aos outros, que passamos horas na net e não encontramos uns minutos para telefonarmos aos amigos para saber como estão.
Em certa medida, não pude deixar de lhe dar razão. Se a net me tem proporcionado reencontros e a vantagem de poder "estar" com alguns amigos diariamente, não deixo de sentir que ela me rouba tempo, algum do qual talvez pudesse dedicar a actividades mais "lentas", mas que sempre me deram prazer, como a leitura, que é hoje menos do que era antes.
Sinto igualmente que, a cada Verão que passa, são menos os amigos que me visitam e é também menor a minha disponibilidade interior para fazer quilómetros para estar com os eles. Tudo parece ser pretexto para adiarmos encontros e conversas  como se a própria amizade pudesse ser adiada. Os casais, salvo raras excepções, desculpam-se com os filhos; os homens, por norma, não se desculpam, mas é quase sempre certo (felizmente há um grupo restritíssimo que não o faz) que, logo que entram numa relação, ainda antes do "papel passado", "riscam " da lista as amigas, sobretudo se forem solteiras.
Aos poucos, fui-me apercebendo também que, mesmo com aqueles que estão mais próximos, as conversas são cada vez mais espaçadas e quase sempre ditadas por relógios implacáveis.


Isto sou eu a devanear e a recuperar rascunhos...

2 comentários:

R. disse...

Mas são devaneios e rascunhos muito pertinentes. Partilho do que aqui se diz e penso que a identificação das situações constitui o primeiro passo para uma eventual mudança.

Abraço "virtual" mas sincero :)

deep disse...

Obrigada, R.. :)

Retribuo, sinceramente, o abraço. Mesmo virtual sabe bem.