quinta-feira, dezembro 22, 2011

Vinicius de Moraes - Poema de Natal



Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

5 comentários:

Lídia disse...

Belo poema!
Um Feliz Natal para ti Querida deep.

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, desejo que tenhas um Feliz Natal e um Novo Ano cheio de coisas boas, para ti e para a tua família.
Muitas prendas, principalmente afectivas.
Beijo.

deep disse...

Obrigada, amiga. Para ti e para os teus, só posso desejar um Natal muito feliz, em que não falte o essencial, sobretudo saúde e carinho.Beijinhos

Nilson, obrigada pelos votos e pelas tuas palavras, sempre tão gentis.
Retribuo os votos que me fazes. Que não faltem, neste Natal, essas prendas feitas de afecto. Beijinhos

CCF disse...

Tão lindo este poema.
Um abraço e bom ano.
~CC~

deep disse...

CC, sempre gostei deste poema, apesar do seu tom triste.

Retribuo o abraço e os votos de bom ano - que não falte o essencial! :)