quarta-feira, novembro 16, 2011

É lá que tu moras ainda

É lá que tu moras ainda:
nos jogos da infância,
no sabor do café com leite,
na textura do pão com manteiga.


É lá que moras também:
nas madrugadas de confidências,
nas palavras escritas trocadas
em demoradas cartas,
na sombra dos castanheiros.


É também ali que ainda te procuro:
num fim de tarde na praia,
num bailado da Pina Bausch,
nos acordes da guitarra de David Guilmour,
no olhar enigmático do Corto Maltese.


É aqui que ainda te encontro:
nas minhas horas de insónia,
na dor que, de mansinho, assoma,
quando a minha voz se cala
na evidência de já não seres.


16/11/ 2011

2 comentários:

Anónimo disse...

Quase que sei para quem é dirigido... beijinhos Elsa

deep disse...

Pois é, nina. :( Beijinho