segunda-feira, junho 06, 2011

O vento

Por mais que tente, o vento
não consegue adormecer
se não tiver nada para ler.
Seja uma folha de tília,
de bambu ou buganvília.


É por isso que o vento
arrasta as folhas consigo,
até encontrar um abrigo,
onde possa adormecer.
- arrastou até a folha
onde eu estava a escrever!


Jorge de Sousa Braga

6 comentários:

tsiwari disse...

bonito...

as-nunes disse...

Bem que falaste nas buganvílias da foto que tenho no "dispersamente"!

As Buganvílias! Uma maravilha, agora em plena floração!

Gostei do poema, como não sentir a poesia, especialmente nesta altura do ano?

Bj
António

Astor disse...

Obrigado por partilhares este bocadinho de poesia. Será que há mais poema?

anamaria disse...

Olá!
Vim com o vento...e foi tão bom pausar por aqui!
Vou com o vento e voltarei com alguma brisa que me permita mais tempo...

Ana disse...

So Gorgeous!!! :) beijo

deep disse...

tsiwari, pois é... :)***

António, a primavera e a poesia andam sempre de mãos dadas. Como evitá-lo? Bj

Astor, partilhar é sempre um prazer. Também é por isso que ainda por aqui vamos estando.
Este poema é só o que eu apresento. :)

anamaria, fico contente que o vento te tenha trazido. :)

ana, yeap! Beijo