sábado, junho 04, 2011

Não é com vinagre que se apanham moscas...

diz o ditado. Contudo, mel - ou açúcar - em excesso pode sufocá-las.
Quero eu dizer que quem quiser conquistar-me e conquistar o meu respeito, seja no plano da amizade ou no plano do amor, deve evitar agradar-me - ostensivamente, quero dizer. Vá-se lá entender as mulheres! diriam alguns homens. 
Gosto, como é óbvio e mais ou menos como toda a gente, de mimos e de atenção, mas a subserviência incomoda-me e causa-me uma sensação de claustrofobia e, ao invés de me aproximar da pessoa que se esforça por me agradar, fazendo-me as vontades, dispondo-se a concordar sempre comigo ou a gostar de tudo aquilo de que eu gosto, afasta-me, por vezes a um ponto sem retrocesso.
Por muitas afinidades que possamos ter com alguém, há sempre divergências, que são resultado das diferenças de educação, das oportunidades que a vida nos ofereceu e de temperamento. Negá-las é negar a nossa individualidade, é privar os outros de aprenderem com o que em nós há de diferente e de potencialmente enriquecedor.

5 comentários:

tsiwari disse...

Espero que quem te anda a arrastar a asa leia o blog e perceba

lol


:)***

Lídia Borges disse...

Concordo! Não é nada agradável percebermos que estão a lançar-nos a "rede". A aproximação entre as pessoas deve acontecer só se tiver de acontecer e para isso nada como sermos nós próprios... sempre!

Um beijo

deep disse...

tsiwari, pode não ser alguém a tentar, como tu escreveste, a "arrastar a asa"! :))

Lídia, sem dúvida. :)

Votos de bom domingo e beijos para ambos.

Nilson Barcelli disse...

Concordo contigo, até porque eu sinto mais ou menos o mesmo...
Beijos, querida amiga.

Anónimo disse...

aprender muito todos os dias é muito cansativo... ;)

bjokas mtas

maria3