sexta-feira, março 26, 2010

As mãos pressentem...

As mãos pressentem a leveza rubra do lume
repetem gestos semelhantes a corolas de flores
voos de pássaro ferido no marulho da alba
ou ficam assim azuis
queimadas pela secular idade desta luz
encalhada como um barco nos confins do olhar


ergues de novo as cansadas e sábias mãos
tocas o vazio de muitos dias sem desejo e
o amargor húmido das noites e tanta ignorância
tanto ouro sonhado sobre a pele tanta treva
quase nada


Al Berto

2 comentários:

Virgínia do Carmo disse...

A poesia de Al Berto transpira uma certa "desesperança"... mas é tão bonita!

Beijinhos

deep disse...

Virgínia, conheço pouco a poesia dele, mas gosto da pouca que conheço.

Beijinhos