terça-feira, janeiro 12, 2010

Reticências

Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na acção. Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o mesmo resultado; Mas que bom ter o propósito claro, firme só na clareza, de fazer qualquer coisa! Vou fazer as malas para o Definitivo, Organizar Álvaro de Campos, E amanhã ficar na mesma coisa que antes de ontem – um antes de ontem que é sempre… Sorrio do conhecimento antecipado da coisa-nenhuma que serei. Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir… Produtos românticos, nós todos… E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada. Assim se faz a literatura… Santos Deuses, assim até se faz a vida! Os outros também são românticos, Os outros também não realizam nada, e são ricos e pobres, Os outros também levam a vida a olhar para as malas a arrumar, Os outros também dormem ao lado dos papéis meio compostos, Os outros também são eu. Vendedeira da rua cantando o teu pregão como um hino inconsciente, Rodinha dentada na relojoaria da economia política, Mãe, presente ou futura, de mortos no descascar dos Impérios, A tua voz chega-me como uma chamada a parte nenhuma, como o silêncio da vida… Olho dos papéis que estou pensando em arrumar para a janela, Por onde não vi a vendedeira que ouvi por ela, E o meu sorriso, que ainda não acabara, inclui uma crítica metafisica. Descri de todos os deuses diante de uma secretária por arrumar, Fitei de frente todos os destinos pela distração de ouvir apregoando, E o meu cansaço é um barco velho que apodrece na praia deserta, E com esta imagem de qualquer outro poeta fecho a secretária e o poema… Como um deus, não arrumei nem uma coisa nem outra… Pessoa - Álvaro de Campos

7 comentários:

Nelumbo nucifera disse...

Feliz 2010 :) Obrigado pelos teus votos, tao gentilmente cedidos! Tambem te espero um ano de serenidade e tudo mais que desejes :)

ana maria disse...

Bom ano, amiga!!

E este poema...é tão a minha cara!!

eMe-a-eMe disse...

aiiiiiiiiii que lindo.

Virgínia do Carmo disse...

Se calhar não é suposto arrumar nem poemas nem secretárias! (isto para mim faz sentido!) - adorei esta reflexão de Fernando Pessoa... lindo com tudo o que escreveu!

Obrigada e um grande beijinho!

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE:
LETRAS SAO PAPEIS


DESEANDOOS UNAS FIESTAS ENTRAÑABLES OS DESEO FELIZ AÑO NUEVO 2010 Y ESPERO OS AGRADE EL POST POETIZADO DE LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

José
ramón...

CCF disse...

Tal e qual como nas palavras do poeta :)
Bjs
~CC~

deep disse...

Nelumbo, obrigada! :)

ana maria, obrigada! Também é a minha cara... :)

eMe-a-eMe, é, não é? Álvaro de Campos é assim... :)

Virgínia, se, por vezes, se arruma os poemas, estes perdem a genuinidade; arrumar secretárias pode significar perder o tino aos papéis. :)

Ramon, obrigada pela visita. :)

CCF, como referi antes, também comigo é assim, por isso, por vezes, exaspero comigo... :)

Bom resto de fim-de-semana para todos.