quarta-feira, junho 10, 2009

luís o poeta salva a nado o poema

Era uma vez um português de Portugal. O nome Luís há-de bastar o mundo inteiro ouviu falar. Estala a guerra e Portugal chama Luís para embarcar. Na guerra andou a guerrear e perde um olho por Portugal. Livre da morte pôs-se a contar o que sabia de Portugal. Dias e dias grande pensar juntou Luís a recordar. Ficou um livro ao terminar. muito importante para estudar. Ia num barco ia no mar e a tormenta vá d'estalar. Mais do que a vida há-de guardar o barco a pique Luís a nadar. Fora da água um braço no ar na mão o livro há-de salvar. (...) Sou português de Portugal depois de morto não vou mudar. Sou português de Portugal acaba a vida e sigo igual. (...) É fado nosso é nacional não há portugueses há Portugal. (...) Almada Negreiros (texto com supressões)

2 comentários:

Valentim Coelho disse...

Pois é... o nosso Camões salvou os poemas ....em detrimento da sua amada!! parece que é isso que reza a história.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Também tens razão!
O nosso Camões, que escreveu os Lusiadas é muito importe!

Do:Sócrates