sábado, setembro 27, 2008

aquilo que somos

Ninguém tem culpa Daquilo que não fomos! Não houve erros, Nem cálculos falhados Sobre a estepe de papel. Apenas, Não somos os calculistas, Porém os calculados, Não somos os desenhistas, Mas os desenhados, E muito menos escrevemos versos E sim somos escritos. Ninguém é culpado de nada Neste estranhar constante. Ao longe, uma chuva fina Molha aquilo que não fomos. Paulo Bonfim

2 comentários:

Anónimo disse...

Muito animador e bonito mas, 'pano p mangas'... e a música, como t foste lembrar desta? ;D

Bjis

rubia

vaandando disse...

Gostei do poema , mas não conheço o poeta .
Não tenho a pretensão de conhecer todos os poetas , mas quando encontro um desconhecido que cativa pela qualidade , naturalmente interesso-me.
abraço_______________----
JRMarto